Aperte “Enter” para pesquisar

Artigos

Um Estudo Explica Como A Vacinação Em Uma Idade Precoce Na Infância Reduz O Risco De Leucemia

Atualizado em: 02/11/2017 às 14h43

 

Infecções crônicas impulsionam as células “pré-leucêmicas”, algo comum nos recém-nascidos, para a degeneração maligna.

 

Uma equipe dirigida por investigadores da UCSF descobriu como uma vacina de administração comum protege contra a leucemia linfoblástica aguda (LLA), o tipo mais frequente de câncer na infância.

 

A vacina contra Haemophilus influenzae de tipo b (Hib) além de evitar as infecções do ouvido e a meningite causadas pela bactéria Hib, também protege contra a LLA, a qual constitui aproximadamente 25 por cento dos diagnósticos de câncer em crianças menores de 15 anos, segundo a National Cancer Society. A vacina contra Hib é parte do esquema de vacinação normal recomendado pelo Centers for Disease Controle e sistematicamente é administrada às crianças em quatro doses, antes dos 15 meses de idade.

 

Apesar de que foi bem documentado em estudos epidemiológicos a proteção contra o câncer oferecida pela vacina contra Hib, isto não é bem conhecido pelo público em geral e não se compreendeu bem o mecanismo subjacente a este efeito. Agora, em um estudo publicado no Nature Immunology, uma equipe internacional dirigida por investigadores da UCSF demonstrou que as infecções recorrentes por Hib podem ativar excessivamente determinados genes do sistema imunológico, tornando as células sanguíneas “pré-leucêmicas”, as quais estão presentes em valores surpreendentemente altos em recém-nascidos, no câncer plenamente declarado.

 

“Estes experimentos ajudam a explicar por que a frequência da leucemia caiu significativamente desde a introdução das vacinações periódicas aplicadas durante a lactação”, disse o Dr. Markus Müschen, PhD, professor de medicina de laboratório na UCSF e autor principal do estudo. “A infecção por Hib e outras infecções da infância podem causar respostas imunológicas recorrentes e intensas, as quais observamos que podem desencadear leucemia, mas os lactentes que receberam vacinas em grande parte estão protegidos e adquirem imunidade a longo prazo através de reações imunológicas muito leves”.

 

Muitos recém-nascidos são portadores de oncogenes em suas células sanguíneas, mas só um em cada 10.000 eventualmente apresentará LLA. No novo estudo, os investigadores avaliaram a noção de que a inflamação crônica causada por infecções recorrentes poderia causar “dano colateral” (lesões genéticas adicionais) nas células sanguíneas que já são portadoras de um oncogene, favorecendo sua transformação na doença manifesta.

 

Dirigidos pelos primeiros coautores Sriovidya Swaminathan, PhD, ex-membro de pesquisa pós-doutorado da UCSF agora na escola de medicina da Universidade de Stanford, e Lars Klemm, especialista assistente em pesquisa na UCSF, a equipe de pesquisa levou a cabo experimentos com ratos, centrados em duas enzimas conhecidas como AID e RAG, como as impulsoras deste processo.

 

AID e RAG introduzem mutações no DNA que permitem às células imunológicas adaptar-se aos desafios infecciosos e estas enzimas são necessárias para uma resposta imunológica normal e eficiente. No entanto, quando existe uma infecção crônica, o grupo descobriu que AID e RAG estão muito hiperativas e recortam e alteram genes de forma aleatória, incluídos os genes importantes que impedem a formação de câncer.

 

Ao estudar células pré-leucêmicas sujeitas a técnicas de engenharia genética que careciam de AID ou RAG, bem como células carecendo das duas enzimas, a equipe descobriu que AID e RAG funcionam em conjunto de maneira decisiva para introduzir as lesões adicionais que geram a doença potencialmente mortal.

 

Apesar de que os investigadores se enfocaram na infecção por Hib, uma infecção bacteriana, consideram que os mesmos mecanismos podem estar operando nas infecções por vírus. Na atualidade, a equipe está realizando experimentos para determinar se a proteção contra a leucemia também é proporcionada pelas vacinas contra as infecções por vírus, como a bem conhecida vacina MMR no centro das recentes controvérsias antivacinação.

 

O Dr. Mel F. Greaves, PhD, professor de biologia celular no Instituto de Pesquisa do Câncer, em Londres, é um dos cientistas que desenvolveu a teoria de que as reações imunológicas crônicas e recorrentes durante a lactação favorecem o câncer nas crianças e é um dos coautores do estudo. “O estudo proporciona apoio mecanicista à hipótese de que a infecção ou a inflamação favorecem a evolução da leucemia infantil e que a aparição das infecções comuns a uma idade precoce é um fator decisivo”, disse Greaves.

Compartilhar
FacebookTwitterGoogle+EmailWhatsApp

Ligamos para Você








Atendimento por Whatsapp









Atendimento por Email









Consulte Preços








Assine nossa Newsletter




Receber Mais Informações