Aperte “Enter” para pesquisar

Artigos

Segundo MS, Seis Crianças Indígenas Morreram Em Surto De Gripe No Pará

Atualizado em: 02/11/2017 às 23h54

Um surto de gripe em aldeias da região de Altamira, sudoeste do estado, foi confirmado pelo Ministério da Saúde. Vítimas de doenças respiratórias, seis crianças indígenas, entre seis meses e um ano, já morreram.

 

Crianças e adultos indígenas chegaram à sede do município para procurar atendimento médico. De acordo com o MS, os casos nas comunidades indígenas aumentaram. Entre os meses de janeiro e maio desse ano, foram registrados 540 casos de síndrome gripal aguda e 61 casos graves.

 

“Os casos de síndrome respiratória no nosso povo comumente são nocivos. Por conta de uma predisposição maior do nosso povo para essas doenças respiratórias, uma baixa imunidade em relação a isso”, explica o conselheiro distrital de saúde indígena, Nambu Kayapó.

 

Ao todo, mais de 3600 índios de 10 etnias estão distribuídos em 41 aldeias na região. Por recomendação do MPF, a casa do índio, que abriga índios em transito, foi temporariamente interditada até que o surto seja controlado. Aqueles que estavam hospedados no local foram vacinados e tiveram que voltar às aldeias.

 

Força tarefa

Uma força tarefa foi criada pelas autoridades sanitárias do município, do Estado e da União para elaborar um plano emergencial de controle do surto de gripe.

 

Segundo o Secretário de Saúde, Waldecir Maia, o município garante o atendimento básico mesmo com a sobrecarga na rede pública. “Revertemos o fluxo de pronto atendimento, que é a UPA. Nós disponibilizamos hospital, a área que era feita para urgência e emergência está disponível só para atender essas pessoas”, afirma.

 

A Secretaria de Saúde Pública do Estafo (Sespa) informou que abasteceu, em quantidade suficiente, o centro regional de saúde de Altamira com o remédio antiviral. Ainda segundo a Sespa, uma equipe técnica da vigilância em saúde e do laboratório central do estado já se deslocou para área para reforçar o trabalho na região.

 

Fonte: G1

Compartilhar
FacebookTwitterGoogle+EmailWhatsApp

Ligamos para Você








Atendimento por Whatsapp









Atendimento por Email









Consulte Preços








Assine nossa Newsletter




Receber Mais Informações