Aperte “Enter” para pesquisar

Artigos

SARAMPO – PRAINHA JÁ CONFIRMOU 14 CASOS DA DOENÇA EM 2019; SESPA INTENSIFICA VACINAÇÃO NO MUNICÍPIO

Atualizado em: 27/02/2019 às 09h22

O município de Prainha, no oeste do Pará, já confirmou 14 casos de sarampo este ano, contra apenas um em 2018, segundo a Secretaria de Estado de Estado de Saúde Pública (Sespa). Para controlar o surto da doença, a secretaria está montando ações para aumentar o bloqueio vacinal no município.

 

De acordo com a diretora do Departamento de Epidemiologia da Sespa, Ana Lúcia Ferreira, foram destinados R$ 120 mil para o 9º Centro Regional de Saúde (CRS) utilizar em recursos humanos, veículos, combustíveis e aquisição de insumos, a fim de intensificar a vacinação e a busca ativa de casos na área afetada do município, durante 30 dias.

Casos no Pará

Em 2018, o Pará notificou 267 casos suspeitos de sarampo, dos quais 67 foram confirmados, incluindo dois óbitos de refugiados venezuelanos que estavam em Belém. Em 2019, há a notificação de 34 casos, dos quais 18 foram confirmados. No total, são 301 notificados, dos quais 87 confirmados, 185 descartados e 29 que permanecem sob investigação.

Até o momento, na mesma região, Santarém apresentou o maior número de notificações – 116 casos – e o maior número de confirmados, 39. Em seguida aparecem os municípios de Prainha, com 26 notificados e 15 confirmados; Belém, com 22 notificados e nove confirmados, e Monte Alegre, com 15 notificados e também nove confirmações.

Plano de Eliminação do Vírus

 

Para controlar o surto no oeste do Pará, que tem a maior incidência da doença devido à proximidade com o Estado do Amazonas, que apresenta o maior número de casos no Brasil, o Ministério da Saúde e a Sespa implantaram na região, na semana passada, o Plano de Eliminação do Vírus do Sarampo no Brasil.

A finalidade é fortalecer os sistemas de Vigilância e Atenção à Saúde, para interromper a circulação do vírus do sarampo, garantindo que o Brasil permaneça com o Certificado de Eliminação da Circulação do Vírus do Sarampo, recebido em 2016 da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Gravidade da doença

 

O sarampo é uma doença infecciosa aguda, viral, transmissível, extremamente contagiosa. Os sintomas iniciais são febre, tosse persistente, irritação nos olhos e coriza. Após esses sintomas, geralmente há o aparecimento de manchas avermelhadas no rosto, que progridem em direção aos pés. Também pode causar infecção nos ouvidos, pneumonia, convulsões, lesão cerebral e morte.

A transmissão ocorre de pessoa a pessoa, geralmente por tosse, espirros, fala ou respiração. A infecção também ocorre por meio de gotículas de secreções respiratórias (tosse, espirro etc.) com partículas virais no ar, que podem perdurar por tempo relativamente longo no ambiente, em especial em locais fechados, como escolas e clínicas. A suscetibilidade ao vírus do sarampo é geral, e a única forma de prevenir é com a vacinação.

 

Recomendações

 

Para evitar a doença, a população deve manter o calendário de vacinação atualizado; regularizar a situação vacinal antes de viagem para municípios, estados ou países onde estejam ocorrendo casos de sarampo, e procurar um serviço de saúde caso apresente sinais e sintomas de sarampo.

Cabe aos profissionais de saúde notificar imediatamente às secretarias Municipais de Saúde todo caso suspeito de sarampo, coletar amostra para sorologia e biologia molecular no primeiro contato com o paciente, e investigar imediatamente a ocorrência de outros casos suspeitos.

Já as secretarias municipais devem fazer a notificação imediata e investigar todos os casos suspeitos que atendam à definição de caso de sarampo, promovendo o bloqueio vacinal nos contatos de caso suspeito, independentemente do resultado laboratorial.

 

Compartilhar
FacebookTwitterGoogle+EmailWhatsApp

Ligamos para Você








Atendimento por Whatsapp

[contact-form-7 404 "Not Found"]

Atendimento por Email









Consulte Preços








Assine nossa Newsletter




Receber Mais Informações