Aperte “Enter” para pesquisar

Artigos

HIV: CONHEÇA AS FORMAS RECOMENDADAS DE PROTEÇÃO

Atualizado em: 07/12/2018 às 09h12

04dez18 – Entre janeiro e setembro deste ano, o Ministério da Saúde distribuiu 302,5 milhões de preservativos femininos e masculinos. Eles estão disponíveis de graça em qualquer serviço público de saúde. Até o fim do ano essa quantidade deve aumentar, já que, no total, foram adquiridos 750 milhões de camisinhas em 2018.

 

A preocupação da pasta em garantir o acesso aos preservativos tem um motivo: embora sejam a principal forma de prevenção, “quase metade dos brasileiros sexualmente ativos não usa camisinha nas relações casuais, mesmo sabendo que essa é a melhor forma de evitar a Aids e outras infecções sexualmente transmissíveis (IST)”, afirma a diretora do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais, Adele Benzaken.

 

Epidemia brasileira é concentrada em populações-chave (gays e homens que fazem sexo com homens, pessoas trans, trabalhadores do sexo, pessoas que usam álcool e outra drogas e pessoas privadas de liberdade) e populações prioritárias (jovens, população indígena, pessoas privadas de liberdade e população negra). Por esse motivo, o ministério tem investido também em outras formas de prevenção, como a combinada.

 

Nessa modalidade, são utilizadas abordagens biomédicas, comportamentais e estruturais. Ou seja, o Ministério da Saúde desenvolve ações para promover a prevenção pós-exposição e pré-exposição, o diagnóstico precoce e a adesão ao tratamento.

 

“Essa combinação pode ser feita de forma simultânea ou sequencial. A escolha varia de acordo com as características e fase da vida de cada pessoa”, explica Benzaken. Dessa forma, as estratégias e campanhas são aplicadas conforme a realidade de cada local. “A gente tem um país continental com vários tipos de educação, não só escolar, mas também social. Temos que encontrar uma linguagem para passar a informação de forma adequada, sem que ninguém se sinta ofendido”, completa Tânia Vergara, membro do comitê de HIV/Aids da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI).

 

Profilaxia

 

Outras formas de prevenção oferecidas pelo SUS são a Profilaxia Pós-Exposição ao HIV (PEP) e a Profilaxia Pré-Exposição ao HIV (PreP). A primeira ocorre por meio de medicamentos antirretrovirais para impedir que o vírus se instale no organismo após uma relação sem preservativo. “Essa é uma estratégia para aquelas pessoas que definitivamente se recusam a usar os preservativos, embora isso seja péssimo [não usar camisinha], e se expõe a uma situação de risco”, afirma Vergara. Os medicamentos estão disponíveis de graça no SUS e devem ser aplicados, no máximo, em até 72 horas após a relação sexual desprotegida.

 

Já a segunda, a PreP, é destinada a pessoas que tenham maior chance de entrar em contato com o vírus, como as populações-chave para HIV e que ainda apresentem episódios frequentes de Infecções Sexualmente Transmissíveis (ITSs) e uso repetido de PEP. Ela também está disponível no SUS e consiste na tomada diária de um comprimido que impede que o vírus causador da Aids infecte o organismo.

 

A realização frequente de exames para detecção do HIV é recomendada sempre. Não que a ação barre a transmissão do vírus. Mas é uma atitude que permite a identificação do HIV em seus estágios iniciais, garantindo que a pessoa infectada tenha chance de se submeter rapidamente a tratamentos com antivirais que podem reduzir a replicação do vírus no organismo a uma carga viral indetectável.

 

Fontes: Governo do Brasil, com informações do Ministério da Saúde, do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids, da Fiocruz e da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI).

 

Muita gente não sabe que outras DST, além das relacionadas ao HIV, são mais frequentes e matam mais que a AIDS. O papilomavírus (HPV) é o principal agente de DST em todo o Mundo e o vírus da hepatite B (HB) é muito mais facilmente transmissível que o HIV. E surpreendente é que existem vacinas seguras tanto para o HPV, quanto para o vírus da HB, ambos causadores de uma série de doenças, incluindo câncer ano genital, orofaríngeo e de fígado. Prevenir é melhor! – Mantenha vacinações atualizadas.

 

Newton Bellesi, médico infectologista e imunoalergologista, CRM-PA 765, RQE 2483 e RQE 5110, nbellesi@climep.com.br.

 

Compartilhar
FacebookTwitterGoogle+EmailWhatsApp

Ligamos para Você








Atendimento por Whatsapp









Atendimento por Email









Consulte Preços








Assine nossa Newsletter




Receber Mais Informações