Aperte “Enter” para pesquisar

Artigos

GRIPE – NÚMERO DE MORTES JÁ É QUASE 200% MAIOR QUE NO ANO PASSADO

Atualizado em: 20/07/2018 às 09h41

O Brasil registrou em 2018 aumento de 194,4% no número de mortes por gripe em relação ao mesmo período de 2017: foram 839 mortes por influenza esse ano, contra 285 mortes no ano anterior. Ambos os períodos consideram dados contabilizados pela Secretaria de Vigilância do Ministério da Saúde até a segunda quinzena de julho.

 

O número de mortes vai na esteira do aumento do número de casos em 2018. No total, foram 4.680 infecções em todo o país até 16 de julho, contra 1.782 em 2017.

Além dos números, uma diferença entre os dois anos pode ser observada nos tipos e subtipos de vírus que estão sendo a causa das infecções: em 2018, a maioria dos casos (60%) foram provocados pelo subtipo H1N1 do vírus influenza; já em 2017, a maior parte dos casos (73,7%) foi provocada pelo influenza A (H3N2).

O vírus influenza é dividido em tipos, subtipos e linhagens. Todas essas variações correspondem a diferenças encontradas no material genético do vírus. O influenza também sofre mutações muito frequentemente; por isso, a vacina é atualizada todos os anos com novos vírus.

Além da temporada, o especialista explica que três fatores podem contribuir para um maior número de mortes: uma mutação grande do vírus, a não imunização da população mais vulnerável, e o tratamento tardio, que geralmente começa a ser feito após quatro ou cinco dias de infecção no Brasil. “Após esse período, o tratamento vai ter baixa efetividade”, diz Kfouri.

 

Ele destaca que mais efetividade em campanhas de imunização, com maior rapidez em atingir a meta pode contribuir para diminuir o número de mortes. Em 2016, por exemplo, a meta foi atingida em três semanas, diz ele. Agora, foram necessários mais de três meses para vacinar 90% do público-alvo.

Em 2018, o H1N1, além do número de casos, o subtipo foi responsável pela maior parte das mortes (67,5%): com 567 óbitos. A pasta também registrou 335 casos e 46 mortes por influenza B em 2018. Já o influenza A não subtipado, foi responsável por 541 casos e 86 óbitos.

 

Entre os estados, diz o ministério, o maior número de casos em 2018 ocorreu em São Paulo (1.702), Ceará (376), Paraná (432) e Goiás (378).

Embora quase 90% das pessoas dos grupos de risco tenham sido vacinadas, o número de pacientes infectados pelo vírus da gripe, neste ano, tem sido muito maior que no ano passado. A maioria das vítimas poderiam ter sido poupadas caso tivessem sido vacinadas a tempo, explica o médico infectologista Newton Bellesi. “É uma tragédia perder queridos por não terem sido vacinados, um cuidado tão simples e seguro que traz benefícios vitais”, diz o médico.

 

A vacina empregada na CLIMEP é quadrivalente, oferecendo proteção contra um quarto sorotipo do vírus influenza, da gripe. A vacinação pneumocócica previne a complicação mais frequente da gripe: dose única para a maioria das pessoas.

Compartilhar
FacebookTwitterGoogle+EmailWhatsApp

Ligamos para Você








Atendimento por Whatsapp









Atendimento por Email









Consulte Preços








Assine nossa Newsletter




Receber Mais Informações